Doenças respiratórias no inverno

Junto com as temperaturas mais baixas do inverno, surgem as preocupações com as doenças respiratórias, características dessa época. Isso porque, nessa época, desenvolvemos hábitos não muito saudáveis, como evitar abrir as janelas de casa, no escritório ou no transporte público para evitar o frio.

Dessa forma, a baixa ventilação de ar e a maior concentração de pessoas em locais fechados, facilita a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças, principalmente as respiratórias. Aliado a isso, o ar mais seco, característico do inverno, a poluição, o contato com ácaros de roupas guardadas e a baixa da imunidade são circunstancias que facilitam a propagação de doenças, especialmente para quem já possui doenças respiratórias crônicas. No entanto, é possível aproveitar os benefícios da estação mais fria do ano, sem a necessidade de conviver com sintomas indesejados.

A seguir, entenda quais são as doenças respiratórias mais comuns no inverno e saiba como preveni-las:

 

 

  1. Rinite alérgica

 

A rinite alérgica é causada por uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas, chamadas de alérgenos, como poeira, pólen de plantas, poluição, ácaros e pelos de animais. O contato com essas substâncias, causa uma reação alérgica no organismo, favorecendo a inflamação da mucosa que reveste o nariz, o que, por sua vez, provoca sintomas como espirros, coriza e coceira no nariz, sintomas que podem durar de alguns minutos até vários dias.

Como tratar: esta doença é crônica e não tem cura, entretanto, existem tratamentos que podem ajudar a tratar e controlar os seus sintomas, como anti-histamínicos, corticoides nasais e, principalmente, evitar o contato com as substâncias alérgicas.

  1. Sinusite

 

A sinusite é a inflamação da mucosa dos seios da face, que são estruturas que ficam ao redor do nariz, causando sintomas como dor na região da face, secreção nasal e dor de cabeça, e pessoas que já tem um grau de rinite alérgica têm maior tendência a desenvolver esta inflamação. Esta doença é causada, principalmente, por infecções virais, por vírus de gripes e resfriados, e por alergias, sendo somente uma pequena parte causada por bactérias.

Como tratar: o tratamento costuma ser realizado por meio do uso de anti-histamínicos, anti-inflamatórios, descongestionantes e lavagem nasal com solução salina. O uso de antibióticos é indicado apenas quando há suspeita de infecção por bactérias.

 

  1. Asma

 

A asma é uma das doenças respiratórias crônicas (DRC) mais comuns, sendo causada devido ao estreitamento dos bronquíolos (pequenos canais de ar dos pulmões), o que dificulta a passagem do ar, provocando contrações ou broncoespasmos e sintomas como chiados no peito, falta de ar e tosse. A asma acomete pessoas de qualquer idade. No entanto, a maioria dos casos são diagnosticados na infância. As crises de asma podem ser desencadeadas por fatores alérgicos, como frio e poeira, por exemplo.

Como tratar: o tratamento é feito com orientações do médico pneumologista, que pode envolver uso de broncodilatadores e corticoides, por exemplo.

  1. Pneumonia

 

A pneumonia acontece quando a inflamação e infecção das vias respiratórias atingem os pulmões, geralmente, causadas por bactérias, vírus ou, mais raramente, fungos. Os sintomas da pneumonia incluem tosse com catarro amarelo ou esverdeado, febre de cerca de 38ºC ou mais e calafrios, e, se a infecção for grave, pode causar também falta de ar, dificuldade para respirar e respiração ofegante.

Como tratar: o tratamento depende da causa, na maioria das vezes feito com antibióticos e analgésicos em casa, com orientação médica. Em casos mais graves, em que há sinais de alerta, como oxigenação do sangue prejudicada, confusão mental ou insuficiência dos rins, por exemplo, pode ser necessária internação para realização de remédios na veia ou uso de oxigênio.

 

  1. Enfisema pulmonar

 

Enfisema, também conhecido como enfisema pulmonar, é uma DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) não contagiosa causada pela grande exposição a agentes poluentes e/ou químicos e que acabam danificando os alvéolos pulmonares. Em 80% dos casos, o tabaco é o principal causador da doença. Fatores como poluição do ar, infecções respiratórias, baixa temperatura e histórico familiar de DPOC, também podem favorecer o surgimento da doença.

Como tratar: A doença não tem cura, mas pode ser controlada quase que completamente por meio de medicamentos inalantes (broncodilatadores) e medicamentos orais (antibióticos e mucolíticos). Dependendo do estágio da doença, é indicada cirurgia e reabilitação pulmonar.

 

Gripes x Resfriados: qual a diferença?

 

As gripes são infecções das vias respiratórias superiores, como nariz e garganta, causadas por vírus do tipo Influenza, e provocam sintomas como febre de cerca de 37,8ºC, secreção nasal, coriza, dor de garganta e dor nos músculos e articulações, que dura cerca de 5 a 7 dias. Já os resfriados são o mesmo tipo de infecção, porém mais branda, causada por vírus como adenovírus, rinovírus e vírus sincicial respiratório, e provoca sintomas tipo coriza, espirros, dor de garganta e conjuntivite, que duram uma média de 3 a 5 dias.

Como tratar: não existe um tratamento específico para gripes e resfriados, sendo necessário a realização de repouso, uso de analgésicos para aliviar a dor, além de descongestionantes e lavagem nasal para fluidificar e remover as secreções.

 

VACINE-SE!

 

A vacinação anual contra a gripe é capaz de nos proteger contra os principais vírus causadores de gripe. Esta vacinação é especialmente importante para pessoas com maior risco para o desenvolvimento de quadros mais graves de gripe e pneumonia viral, como idosos, crianças, gestantes, diabéticos e portadores de doenças pulmonares, cardíacas ou autoimunes.

 

Lembre-se!

 

Em caso de sintomas desconhecidos, é indicado procurar o médico, para que seja feito o diagnóstico correto e indicado o melhor tratamento para cada caso. Evite sempre a automedicação.

 

Prevenção de doenças respiratórias:

 

Para se proteger e evitar estas doenças respiratórias no inverno, recomenda-se:

– Evitar locais fechados e com excesso de pessoas;

– Deixar o ambiente o mais ventilado e arejado possível;

– Lavar ou higienizar com álcool as mãos várias vezes ao dia, principalmente após estar em locais públicos;

– Cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir, preferencialmente com lenço de papel descartável;

– Comer bem e de forma saudável, com dieta rica em frutas e verduras, pois esses alimentos são ricos em antioxidantes e minerais que ajudam a melhorar a imunidade;

– Beber cerda de 2 litros de água por dia;

– Evitar ir com frequência de forma desnecessária ao pronto-socorro, pois é um ambiente com alta probabilidade de contaminação;

– Evitar o contato de crianças sadias com pessoas com infecção respiratória;

– Evitar o acúmulo de poeira em casa;

– Lavar e secar ao sol mantas, cobertores e blusas de lã guardadas por muito tempo, antes de usar.

Gostou do artigo? Acesse o conteúdo em PDF e compartilhe com seus amigos!

DATA
02-07-18
CATEGORIAS

COMPARTILHE