“Uber dos médicos” é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina

O aplicativo apelidado de “uber dos médicos”, disponível desde 2016, foi oficialmente regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina. O serviço, por meio de um aplicativo, agiliza o processo de agendamento e atendimento médico, e pode ser realizado em casa.

Entre as resoluções da regulamentação, o conselho determina que todos os profissionais inscritos devem ter Registro de Qualificação de Especialidade (RQE) para a área que vão atender. Por exemplo, uma consulta nutricional deve ser feita por um profissional com registro na área. Este registro indica que o profissional fez residência no setor ou passou por exame específico.

Ainda o CFM, requer que essas plataformas de auxílio médico orientem seus médicos a registrarem as informações por meio físico ou digital. Ou seja, precisam manter um prontuário acessível por outros médicos ou pelo próprio paciente. O grande desafio, segundo o Conselho de Medicina, é fazer o acompanhamento de perto, já que há muitas possibilidades para que o serviço não seja devidamente fiscalizado.

 

Tecnologia à serviço da saúde

A tecnologia tem sido uma grande aliada à saúde, e cada vez mais, a adaptação destes serviços disponíveis acabam trazendo praticidade e aproximação entre paciente e médicos. Além disso, essas ferramentas também auxiliam diversos setores e empresas, que acabam implementando estes benefícios trazendo autonomia e empoderamento.

Segundo dados da Agência Nacional de Saúde, o objetivo por trás desse movimento é garantir que a população tenha acesso a uma medicina de qualidade, como já é aplicado nos serviços disponíveis nos planos de saúde.

A Célebre criou o SAS – Sistema de Análise de Saúde. O software realiza um mapeamento do estado de saúde de cada colaborador, considerando o estilo de vida, ambiente de trabalho e histórico médico. Com isso, é possível determinar o encaminhamento médico dos beneficiários, programas específicos de estímulo ou mudança de comportamentos.

O objetivo do SAS é oferecer à sua empresa uma ferramenta de controle de sinistralidade, por meio de conscientização, orientação e monitoramento da saúde empresarial, acompanhando desde pessoas saudáveis a casos de maior complexidade, como portadores de doenças crônicas. Dessa forma, as ações são estabelecidas de acordo com as necessidades do colaborador e a cultura da empresa em gestão de saúde e bem-estar.

DATA
02-05-18
CATEGORIAS

COMPARTILHE