Combate ao Câncer Infantil
21
ago

Combate ao Câncer Infantil

15 de Fevereiro: Combatendo e Vencendo o Câncer Infantil

Em um passado distante, falar sobre câncer infantil era praticamente um tabu. Ainda nos anos 50, o diagnóstico da doença nas crianças já era logo encarado como morte. Isto se deu não somente pelo desconhecimento do tema, mas também pela forma como a doença evoluiu nos primeiros anos de vida do paciente, (ainda sem um diagnóstico adequado). Mas, com o passar do tempo, muita coisa veio mudando. Desde a tecnologia e equipamentos até as técnicas de medicina preventiva. Assim, o atendimento que se dava às crianças depois da década de 70, passou por uma verdadeira revolução graças a médicos pediatras que se especializaram na área de oncologia.

Incidência e diagnóstico na infância

Hoje, a maioria dos casos de câncer infantil são altamente curáveis. E os resultados obtidos no Brasil equiparam-se ao dos melhores institutos do mundo. Para se ter uma ideia, em geral a doença surge entre os dois e os sete anos de idade (o que não quer dizer que o adolescente não tenha câncer). Em outras palavras, o que os médicos defendem, é que ela é curável – desde que haja um diagnóstico precoce e a criança seja rapidamente encaminhada aos centros especializados no tratamento.

Outra particularidade em relação ao câncer pediátrico, na opinião médica, é que as crianças enfrentam melhor a enfermidade, apesar da gravidade do caso. Se no passado o câncer infantil era sinônimo de muito sofrimento, já que a criança chegava a passar meses internada, o tratamento melhorou muito, principalmente no quesito humanização. Atualmente, a maioria das quimioterapias é ambulatorial e não requer internação.

De acordo com o médico especialista Dr. Alois Bianchi, criador e diretor do Departamento de Pediatria Oncológica do Hospital do Câncer de São Paulo, antigamente, a criança com câncer era vista como vítima, porque era portadora de uma doença potencialmente fatal. Já recentemente, existe um outro enfoque. Em vez de desempenhar um papel passivo diante de uma doença gravíssima, a criança é estimulada a ter um papel ativo e passa a ser encarada como um herói capaz de enfrentar as dificuldades que tem pela frente.

Ative seu SUPERPODER!

E com base nisto, lançamos uma campanha para conscientização do Dia Internacional de Combate ao Câncer Infantil (15 de fevereiro), juntamente com a contribuição de empresas, clientes e seus colaboradores, para estimular doações com instituições ligadas ao câncer infantil, como é o caso do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAACC).

Por ano, milhares de crianças e adolescentes encontram no Hospital do GRAACC tudo o que precisam para alcançar a cura do câncer infantil. Mas isso só é possível por contarem com a ajuda de muitas parcerias. Nós somos uma delas.

Seja um doador. Dê esperança aos nossos grandes heróis. 

Para contribuir com qualquer valor para instituição, acesse e saiba mais em: https://graacc.org.br/doar