Doenças respiratórias no Inverno

A temporada de frio chegou e com ela as doenças relacionadas ao inverno. É justamente neste período que aumentam os índices associados às complicações respiratórias. Bronquite, asma, pneumonia, gripes e resfriados são algumas das doenças que mais atingem a população em épocas de frio. 

As baixas temperaturas aliadas ao ar seco potencializam o desenvolvimento de vírus e bactérias que causam doenças respiratórias. Isso porque as pessoas tendem a passar mais tempo em lugar fechados, o que favorece o surgimento de doenças respiratórias infecciosas e alergias.  

O frio intenso pode ocasionar a queda de imunidade, predispondo as pessoas a se tornarem suscetíveis as diversas doenças nesta época do ano, inclusive as respiratórias. Levando em consideração nossa qualidade de vida e hábitos diários, selecionamos algumas doenças comuns desta época do ano que devemos estar em alerta: 

Asma 

Uma das doenças respiratórias mais comuns, é causada pelo estreitamento dos bronquíolos (pequenos canais de ar dos pulmões), dificultando a passagem do ar, e provocando contrações.  

Principais sintomas:  

  • Chiados no peito; 
  • Falta de ar; 
  • Tosse. 

Estima-se que, no Brasil, a condição afeta um quarto das crianças em idade escolar e 1/5 dos adolescentes. A maioria dos casos são diagnosticados na infância, podendo ser desencadeados por fatores alérgicos, como frio e poeira. Entretanto, tem se observado um aumento considerável no número de casos em idosos, de 4 a 13%. É importante ressaltar que, em idosos, os casos acometem pessoas com histórico de tabagismo e alcoolismo, e também alergias respiratórias que são comuns nessa fase da vida.  

Fique atento aos sinais que o corpo dá! Geralmente, os sintomas pioram pela manhã e durante a noite.  

Como tratar: O diagnóstico da asma é realizado através do exame de Espirometria, onde é medido de forma mais objetiva o estreitamento dos brônquios por meio do sopro do paciente. O tratamento é feito com orientação do médico pneumologista, que pode envolver uso de broncodilatadores e corticoides.  

Bronquite 

Facilmente confundida com a asma, a bronquite é uma inflamação dos brônquios. Essa inflamação dificulta a passagem do oxigênio, produzindo um certo inchaço aos brônquios e formando uma maior quantidade de muco, na tentativa de limpar a região afetada.  

Principais sintomas: 

  • Tosse; 
  • Chiado no peito; 
  • Dificuldade em respirar, que permanecem por algumas semanas. 

Este tipo de bronquite se desenvolve decorrente de uma gripe, e atinge, especialmente, crianças e idosos. Pessoas alérgicas, em contato com ácaros e pólens, assim como pessoas que fumam, também estão suscetíveis à bronquite. 

Como tratar: Como o tabagismo está fortemente ligado à bronquite, largar o cigarro e/ou evitar a inalação da fumaça, é uma ação indispensável para evita-la. A recomendação é hidratar as vias respiratórias com inalação e soro fisiológico.  

Nos casos mais críticos, os médicos especialistas receitam anti-inflamatórios e broncodilatadores. Vale ressaltar que o tratamento é indicado a partir do diagnóstico do especialista. 

Pneumonia 

Da mesma forma como a bronquite, a pneumonia é uma doença que ataca os pulmões, ou apenas um, conseguinte de uma doença como tuberculose, alcoolismo, tabagismo, entre outras. 

A pneumonia é a terceira causa que mais mata no mundo, e é a principal doença respiratória. A bactéria popularmente conhecida como pneumococo, se aloja no pulmão causando irritação. Basta um espirro de uma pessoa infectada para que a bactéria ou fungo solto no ar chegue aos pulmões. Em sua fase inicial, pode ser confundida muitas vezes com a gripe.  

Fique alerta aos sinais que podem indicar o surgimento da doença:  

  • Febre alta;  
  • Tosse;  
  • Calafrios;  
  • Falta de ar;  
  • Dor no tórax;  
  • Secreção de muco via oral. 

É muito comum a doença surgir em pessoas que fumam e bebem álcool em excesso.  

Como tratar: Seu diagnóstico é feito através de um exame clínico e radiográfico do tórax. O tratamento é realizado por meio de antibióticos indicado através da avaliação médica. É muito importante evitar o automedicamento!  

Fique atento! Em caso de sintomas desconhecidos, é indicado procurar o médico, para que seja feito o diagnóstico correto e verificar o melhor tratamento para cada caso. 

DATA
24-05-19
CATEGORIAS

COMPARTILHE